Pedir um tempo é molecagem

Engana-se, redondamente, quem pensa que os covardes são, somente, os seres que batem em gente de óculos e que roubam o lanchinho de crianças indefesas.

Os covardes também têm o péssimo costume de pedir “um tempo” às parceiras. Ou você não é capaz de perceber que o “Vamos dar um tempo!” é uma solicitação feita à base de muita covardia e falta de respeito? Claro que é! É coisa de telespectador de Malhação.

Responda-me, sinceramente: que caralho realmente significa o tal do “Vamos dar um tempo”? Não sabe? Não consegue me dizer com exatidão? Eu ajudo: é uma manobra para deixar a parceira congelada – e totalmente fora do mercado! – enquanto a sua indecisão não passa. Ou não é? Não minta para mim.

O que há de implícito em um aparentemente inofensivo “Vamos dar um tempo?” Hein? Existe um “Eu estou pensando seriamente em terminar o nosso namoro, mas, por causa do pavor que estou sentindo de me arrepender e de deixar você free para descobrir que a felicidade também existe em outros braços, preciso que fique paralisada enquanto eu decido o que quero da vida, ok? Até a minha decisão final e definitiva, você não está solteira nem namorando, encontra-se algemada no limbo do meu coração!”.

Cara, se você não quer mais namorá-la, tudo bem, faz parte da vida, eu entendo. Entretanto, peço que tenha, ao menos, a hombridade de dizer “Tchau, acabou, foi bom enquanto duramos!”, e de correr os inevitáveis riscos de se arrepender no próximo domingo, graças à deprê pós-balada e pré-Faustão. Por favor, seja homem o suficiente para sair de cima do muro, pois “pedir um tempo”, convenhamos, não é cá nem lá, nem isso nem aquilo. Não é nada.

Eu já aceitei pedidos de tempo nesta vida, confesso. E sofri à beça por causa deles. Sofri porque não tinha os inegáveis benefícios de uma relação e, também, porque não me sentia nem um pouco livre para usufruir das alegrias da solteirice. Hoje, porém, se alguém me pedir um tempo, eu logo mando à merda; afinal, exijo respeito e não tenho mais tempo para ficar à mercê de uma dúvida que nem é minha.

Se você foi um exemplo de homem quando a conquistou e nos anos em que passou ao lado dela, não faz sentido algum terminar feito um moleque, certo? Digo mais: não faz sentido colocá-la no freezer enquanto você – bonito, penteado e perfumado – sai por aí em busca de um X para as equações do seu coração.

Dê um tempo da molecagem, por favor.