Falta muito para você chegar? E agora?

Falta muito pra você chegar?

E agora?

E agora?

E agora, hein?

Diga que não, por favor. Diga que já está quase aqui, ao alcance dos meus pezinhos gelados e das minhas mãos que adoram andar por aí agarradas às suas.

Afirme: “Amor, já estou no mesmo fuso horário que você, pronto para perder a noção das horas enquanto me acho em suas gargalhadas deliciosas, preparado pra fazer com que você queira se internar, sem prazo definido, no aconchego do meu colo!”

Declare, para me matar de euforia, que o seu avião já está prestes a pousar, que o piloto já informou como está o céu em SP e que você, assim como eu, já não vê a hora de se acabar de tanto abraçar, tocar, beijar, lamber, chupar, morder, trepar, “cafunezar”… Enfim, tudo isso junto e misturado, daquele jeitinho que só nós sabemos fazer.

Fale que a saudade – aquela que não parou de crescer desde o nebuloso dia em que você decolou e que agora está comprimindo meu coração – está com os dias contados, pronta para ser baleada pelas tantas bitocas carinhosas e desenfreadas que dará – sem medo da câimbra nos beiços e da reação dos insensíveis que a elas assistirão – sobre meus olhos, pontinha do nariz, pescoço, testa, orelha, nuca…

E aí, já chegou?

E agora?

E agora?

E AGORA?

Diga que sim, por favor.

Diga que resolveu voltar mais cedo porque seu inglês já está bem melhor do que o inglês do Obama. Ou por causa do aumento do dólar, sei lá. Mas diga que já está voltando, meu bem. Ou volte sem dizer nada, de surpresa, para impregnar, mais uma vez, seu cheiro em mim; neste corpo que ama se entregar ao seu, nesta pele que fica áspera quando pensa na sua.

Porque já lavei a louça, arrumei a porta do box, descongelei a geladeira, limpei o computador, comprei duas blusas por impulso, tentei me concentrar em algo na TV, reli – sem entender nada – mais de dez vezes o mesmo parágrafo de um livro idiota, comi – feito esganada e em menos de cinco minutos – uma barra de chocolate, passei uma camisa e… Nade deste vazio passar!

Por que você não chega logo? Por que não aparece pra jurar que não ficará mais tanto tempo longe de mim e que, se depender de você, nunca mais me deixará sem saber quando chegará? Por que não vem já pra baixo do meu edredom para assistirmos embolados a todas as séries, filmes e barulhos urbanos da galáxia? Por que não está aqui para me pedir – com cara de labrador dengoso – massagem no pé, um café bem forte e pra ter fé naquilo que diz? Por que ainda não está aqui pra me pegar pelos cabelos e sussurrar, ao pé do meu ouvido, que adora me ver gemer? Posso saber? Por quê?

A verdade é que, sem você, minutos se transformam em séculos, músicas viram pontadas no peito e o som de uma mensagem recebida se torna, imediatamente, esperança de ler um “Tô voltando, amor!”

Aliás, já tá voltando, amor?

E agora?